quinta-feira, 21 de setembro de 2017

O karatê na vida do meu filho

O meu marido fez karatê. Começou aos seis anos e continuou até a faculdade... só parou quando começou a trabalhar e ficou impossível conciliar estudos, trabalho, inglês, espanhol e karatê!
Chegou até a faixa marrom e é um eterno apaixonado pelo esporte!

O Henrique sempre disse ser apaixonado pelo karatê também e sempre pediu para fazer... eu achei que era mais pelo orgulho que ele sentia pelo pai do que o gosto pelo esporte em si. Também já tinha conversado com meu marido que achava que antes dos 5 anos não valia a pena por questões de concentração e porque a maturidade da criança poderia entender o esporte mais como uma brincadeira. Também tinha a questão de acharmos que o Henrique já tinha muitas atividades: escola, música e natação... precisava continuar com tempo para brincar, brincar e brincar...

Então 2016 finalmente acabou, como já escrevi aqui no blog foi um ano sofrido demais para o Henrique na escola e o trocamos de escola. Esse ano começou com escola nova, cabeça erguida e coragem para enfrentar novos desafios e as surpresas da vida...

Na escola nova tem aulas de karatê (optativa). Resolvemos colocá-lo, já que os horários ficariam perfeitos para o Henrique e não o sacrificariam mais do que os horários da perua.

Ele começou meio tímido, receoso de que não daria certo. Apesar de sempre ter pedido para fazer, os acontecimentos da escola anterior o tornaram inseguro, ele achava que não conseguiria. Na segunda aula já estava completamente seguro de que era aquilo que ele queria mesmo!

Desde que começou ele treina em casa TODOS os dias... na varanda, na sala, na calçada... ele treina os katas e os movimentos que já aprendeu!

Em poucos meses de aula (3 meses), ele realizou o primeiro exame de faixa (que é o mais fácil de todos, claro, mas que mostra para os alunos que o empenho traz resultados positivos) e passou da faixa branca para a faixa amarela!



O karatê é um esporte incrível, que ensina paciência, concentração, respeito, ensina a competir, a lutar por seus ideais, a não brigar por aí, além de todos os benefícios físicos!

Esse esporte trouxe para o Henrique a segurança e a autoconfiança que ele precisava recuperar...

Assim está o meu pequeno grande menino: feliz, realizado e seguro novamente!!!

Lívia.

Um comentário:

Anônimo disse...

Que lindo! Acredito muito que o esporte quando aplicado por profissionais competentes como no caso do Henrique, faz transformações maravilhosas na criança principalmente no que diz respeito à confiança em si mesmo. Parabéns Henrique!