quarta-feira, 29 de julho de 2015

Passeio de Férias - Parte IX: Parque Ibirapuera e MAM

Brincar ao ar livre é tudo de bom! Criança ama e adulto também! Acho que não existe quem não goste de sentir o sol aquecendo o corpo, a brisa batendo no rosto, o cheiro de grama e de terra depois da chuva... Acho que não existe quem não goste de sentir-se livre... e pequeno diante de um espaço tão grande (a perder de vista)!
É assim que me sinto no Parque Ibirapuera! Além disso, o Parque é moderno, frequentado por todas as tribos, todo o tipo de gente... Amo São Paulo porque tenho a impressão de que lá todo mundo aceita todo mundo! Parece que tem menos preconceito e mais aceitação!!! Você vê de tudo em São Paulo! Amo muito tudo isso!!!

O Henrique brincou nos brinquedos do Parque (que tem muitos, variedades diferentes, alguns sonoros...), correu no gramado, fizemos um lanchinho por lá (que o Henrique chama de piquenique, mesmo sendo com uma toalhina pequena e ítens que cabem numa lancheira!). Foi muito divertido!!!
Ah! Fizemos até uma pequena caminhada e depois sentamos num banquinho para observar as pessoas caminhando, andando de bicicleta, de patins, correndo... É tão bom sentir que temos tempo somente para sentar e observar! Por isso que amamos férias!!! Mudamos o ritmo mesmo!!!










Outra coisa que eu amo no Parque Ibirapuera é que se você tiver o olhar atento, ele é cheio de surpresinhas:





Tem grafites maravilhosos e cheios de detalhes:



Tem o "Jardim das Esculturas". Lindo também!!!
O Henrique gostou da obra: Miragens I, II e III:


Para finalizar o dia no Parque fomos ao MAM - Museu de Arte Moderna de São Paulo (que fica lá mesmo) e apreciamos a exposição! Ainda tinha uma sessão com mesa, folhas de papel sulfite e lápis de cor. Sentamos e ficamos um bom tempo desenhando juntos... Fizemos desenhos livres e depois desenhamos (do nosso jeito, é claro!) a obra de arte que cada um mais gostou!!!
Foi ótimo!!!


É isso! Espero que tenham gostado mais uma vez!

Lívia.


terça-feira, 28 de julho de 2015

Passeio de Férias - Parte VIII: Ski Mountain Park

Que delícia de lugar! Que lugar lindo!

O Parque fica em São Roque, não é um passeio barato, mas sem dúvida nenhuma é um passeio que vale muito a pena!

Demos sorte, em meio a tantos dias de chuva ou nublados, chegamos ao parque num belo dia de sol!





Chegamos cedinho no parque e começamos pelo ski. O Rafael praticou skiboard e eu e o Henrique ficamos mais no básico mesmo: skibunda! Mesmo assim, devo ressaltar que é difícil. O ski é pesado, escorrega para valer e se por um acaso alguém passar na frente do seu ski, grite, porque frear só parece ser algo fácil de ser feito! No entanto, é divertidísimo, rende boas risadas e ótimos momentos em família!



Depois descemos por um gigantesco tobogã... Muito legal! Para subir utilizamos o teleférico do parque. A vista do lugar é linda!


Lá tem atividades para crianças e adultos. O Henrique fez arvorismo, foi na torre de escalada e também na tirolesa. Tem tudo isso para adultos também. Eu e o Rafael optamos por não fazer. Eu tenho medo de altura e me sinto muito bem com os pés no chão! O Rafa preferiu aproveitar para ficar coladinho em mim e no Henrique (já que eram apenas 15 dias de férias - que passaram voando)...



Olha a altura em que o Henrique está!!!




Depois , atiramos de arco e flecha, fomos ao parquinho... O Henrique se divertiu muito!!! Dêem uma olhada na carinha de alegria dele nas fotos!!!







Depois, o Rafa e o Henrique cavalgaram juntos... Foi lindo de ver!!!


Definitivamente foi um dia cheio de diversão, alegria, movimento, exercício e tranquilidade em meio a natureza!!! Que delícia!!!
Recomendo muito o passeio!

Para mais informações: http://www.skipark.com.br/

Espero que tenham gostado!

Lívia.

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Passeio de Férias - Parte VII: Kidzânia. Alegria ou Pesadelo?!

O que dizer do Kidzânia?
A idéia do Parque é muito boa, educativa, o lugar é lindo e grande (apesar de um pouco escuro).
O parque tenta apresentar para as crianças como funciona o mundo adulto (é preciso estudar e trabalhar para ganhar dinheiro. O dinheiro acaba. Para ganhar mais dinheiro precisamos trabalhar mais), diferentes profissões, o mundo da venda e compra...







É assim:

Chegamos no parque às 10:00 hs (como é época de férias, o parque está fazendo um horário especial que vai das 09:00 às 19:00 hs (de segunda a sexta), e acreditem: é pouco!). O ingresso infantil (de 4 a 14 anos) é R$ 240,00, mas, como criança paga meia entrada sai por R$ 120,00. O ingresso do adulto é R$ 50,00.
Ali na entrada do parque gastamos R$ 220,00. Detalhe: o adulto paga apenas para acompanhar a criança, pois não pode brincar em nada.
Tudo bem, o que é combinado não é roubado. Já sabia que era assim e topei ir porque achei a idéia do parque bem interessante, inclusive para estimular a independência da criança, entre os outros fatores que já citei acima.
Entramos! Cada um de nós coloca um relógio que tem um sensor como aqueles que tem nas roupas de algumas lojas e que apita quando você sai dela e os atendentes esqueceram de tirar... Dizem que é por segurança e que a criança só pode sair do parque com a pessoa que entrou com ela. Ótimo! Espero que isso realmente funcione!

Quando chegamos no parque, fazemos uma espécie de check in. O Henrique ganhou um cheque e precisou trocá-lo por dinheiro no banco do parque.

É uma cidade!

A primeira coisa que faltou: Informação! Quando entramos no parque não sabíamos como funcionava, para onde deveríamos ir, o que fazer com o cheque que o Henrique ganhou, fomos andando sem saber o que fazer, resolvemos tentar trocar o cheque no banco e fomos descobrindo sozinhos... perguntando para algum visitante daqui, outro visitante ali... Não ganhamos o mapinha do lugar (como informa o site).

Até que descobrimos como funcionava:


Por exemplo, para o Henrique trabalhar como cirurgião, ele ganhava 10 kidzos (dinheiro do parque). É só olhar na plaquinha: + 10. essa atividade tem capacidade para 5 crianças, tem duração de 20 minutos e é para crianças maiores de 4 anos.


Já na fábrica de sucos, a criança paga 6 kidzos (- 6), podem entrar 8 crianças por vez, a atividade dura 20 minutos e é para crianças a partir de 4 anos.

Como eu disse antes, a idéia do Parque é muito legal e eu adoraria poder me fantasiar e ter um lugar assim para ir quando eu era criança... Ah, o Parque também é repleto de marcas (1900 Pizzaria, Prosegur, Heinz, Su Fresh, Fini, Kopenhagen, Tam, entre outras... e isso não me incomoda. O site alerta os pais quanto a isso e a minha opinião sobre o assunto não é nova! Eu acho que é responsabilidade dos pais educar os filhos para o não consumismo... marcas ele vai ver em todo o lugar, cabe aos pais dizer sim ou não na hora de comprar!
Estava tudo quase perfeito... mas, às vezes o sonho vira pesadelo!

O Henrique começou se divertindo, feliz e adorando brincar ali...





O legal é que eles colocam o uniforme, vêem como é feito todo o processo de cada um dos lugares...
* Na pizzaria, fez a massa, recheou, esperou sair do forno e ainda trouxe a pizza para comer no almoço.
* Na fábrica de catchup, misturou os ingredientes, descobriu que é feito com polpa de tomate e saiu com um sachê do produto.
* Na Prosegur, descobriu a importância da profissão, que é perigoso alguém roubar o dinheiro e ainda sentiu-se inseguro ao saber o tamanho da responsabilidade... Precisei intervir e conversar com ele, mas depois que ele viu como funcionava adorou a brincadeira!
* Na fábrica de sucos, lavou a laranja, aprendeu qual é o processo na fábrica até chegar ao produto final e ainda ganhou um suquinho!!!

Aos poucos, fomos ficando cansados e com fome. Tem pouquíssimos bancos pelo parque  e durante o dia INTEIRO não encontramos nenhum para sentar (todos lotados sempre!).  Lá tem lanchonete e pizzaria para comermos, mas também não tem mesas suficientes! Não conseguimos comprar nada para comer porque não tínhamos onde sentar! Ficamos com fome mesmo... Depois compramos alguns chocolatinhos para enganar o estômago e a minha hipoglicemia!
É claro, que também vai do bom senso dos visitantes... Sentar um pouco e depois ceder um pouco do lugar... Mas, como sabemos, não dá para esperar o bom senso de 100% da população!

Logo depois do almoço o cansaço e a dor nas costas eram grandes... Estávamos em pé desde as 10:00 hs... tudo bem, bola para frente, vamos curtir!!!

A orientação do parque é que fiquem apenas crianças na fila! Ok. Já estávamos há 2 horas na fila do Bombeiro, quando uma mãe se faz de distraída e passa os dois filhos (um de mais ou menos 8 anos e um de 2 ou 3 anos) na frente de outras crianças... Vi e fiquei nervosa e fiz questão de mostrar para outras mães que estavam ali há horas (como eu)... Até que abre a porta para a próxima turma e os dois entram na frente dos nossos filhos... Fomos falar com o pessoal do parque (que retiraram as crianças)... Gerou mal estar, a mãe ficou bem sem graça, a criança mais velha também (e sabia o que estava fazendo!)... Outros casos como esse aconteceram nessa fila, até que meu marido chamou alguns funcionários do parque para organizarem a fila!

Isso aconteceu em outras filas de brinquedo também... Além de pais que guardam a fila para seus filhos (1, 2, 3, 4....) enquanto as crianças estão brincando em outro lugar! Falta de educação dos pais e falta de organização do parque!


Depois enfrentamos mais outras duas filas de horas de espera! A do cirurgião e a de piloto de avião...







Pontos negativos:

* O Parque diz ser acessível para portadores de necessidades especiais.
 No entanto, em uma das filas, tinha uma menina cadeirante na frente do meu filho. Quando ela foi entrar a cadeira não passava pela porta, tivemos que esperar um funcionário chegar com uma chave para abrir a outra porta (era dupla). Por toda essa demora, a atração atrasou para começar, juntando mais fila... Além disso, enquanto as crianças brincavam, o funcionário fechou novamente a porta e teve que abri-la mais uma vez depois de vinte minutos para a criança sair... Conversando com a mãe da menina, descobri que foi assim em quase todas as atrações (que já têm muito tempo de fila, e duram cerca de 20 a 30 minutos cada). Haja paciência!!! resultado: Mais atraso!!!

* Outro problema: O Parque é bem desorganizado (principalmente as filas). Eles têm senhas que são distribuídas um pouco antes da próxima turma entrar... Fiquei me perguntando porquê não distribuem logo de uma vez... Esperam o caos estar instalado no lugar para distribuírem senha!

* As filas são demoradas. O problema não é pegar fila e ter que esperar... O problema é ver que as filas são causadas por falta de organização!
Por exemplo: No caso do Bombeiro. A brincadeira é dividida em três etapas:
1) As crianças assistem a um vídeo falando sobre cuidados (com tomadas, fogo, fios desencapados... etc).
2) As crianças vestem uniforme de bombeiro
3) Sobem no caminhão e vão apagar o fogo de um hotel
Eu acho que uma turma poderia estar assistindo ao vídeo, enquanto outra poderia estar se vestindo, enquanto a última poderia estar apagando o fogo.
Todo o processo leva cerca de 30 minutos.
O que acontece: eles esperam uma turma passar pelo procedimento todo, para depois entrar uma segunda turma.
Demorado demais!!!

* Mais uma coisa: Enquanto esperávamos na fila do cirurgião, meu filho sentou no chão para esperar na fila. Como o lugar imita uma cidade, tinha um postinho de luz na calçada em que ele estava sentado. De repente, o Henrique abriu uma portinha que tinha no poste e quase colocou o dedo na tomada. Tinham três tomadas descobertas no postinho (num lugar onde as crianças ficam sentadas e têm livre acesso). Perigoso!!!

* Nos foi informado ao comprarmos o ingresso que três atrações não estavam funcionando. Quando entramos vimos bem mais do que 3 atrações fechadas: posto de gasolina, Folha de São Paulo, baladinha, caricatura, tatuagens, aeromoça, entre outros.

* Também percebemos que o parque coloca duas profissões como femininas! Um baita preconceito! Ainda mais nos dias de hoje: enfermeira e aeromoça.
A primeira está escrita assim mesmo na placa (no feminino), além disso as crianças usam jalecos cor de rosa (vi umas fotos de divulgação na internet em que as meninas estão usando jalecos brancos, mas quando fui eram rosas) e ficam ninando bebês.
- Primeiro conceito errado: Existem enfermeiras e enfermeiros.
- Segundo: Enfermeiros cuidam dos bebês (não apenas trocam e ficam ninando) - a profissão vai muito mais além!
Quando questionei uma funcionária sobre o termo "Enferneira", ela disse que meninos também podem brincar! Não sei, acho que o fato de estar no feminino e de entregarem jalecos rosa já inibem a participação dos meninos.
Outra coisa: Existem pais e mães preconceituosos também, que escutaram minha conversa com a funcionária e me disseram: mas é porque meninos não vão querer brincar de boneca!
Acho que podem querer brincar de boneca sim... mas esse não é o fator principal. O que estou tratando aqui é que o parque foi sexista e ainda deturpa a profissão do enfermeiro.
- A atividade da aeromoça (e não comissário de bordo) estava fora de uso, mas lá estava o papelzinho colado no vidro. Além disso apenas uniformes femininos pendurados na arara da atração (fora os uniformes de piloto).



mas nós, das 10:00 hs às 19:00 hs (sem parar nem para comer) conseguimos ir em 8 brincadeiras.

Imagine nos dias (que não são férias) que o parque é dividido em dois turnos de quatro horas! A criança não faz nada! Aí você pode pensar: ah, mas daí não deve estar tão cheio e nem ter tanta fila... mas, conversando com outras mães que já foram outras vezes, o parque está sempre lotado e tem dias (muitos) que têm excursão escolar... Ou seja, sempre tem fila!!!

Como o Parque é meio escuro e tem música ambiente e sirenes o tempo todo, o lugar fica ainda mais cansativo e pesado... É divertido nas primeiras 3 horas... depois começa a enlouquecer e cansar!!!

Depois das 16:30 hs o Henrique começou a pedir para ir embora, dizia estar cansado (nós também!), não queria mais ficar em filas... Insistimos para ele aproveitar! Porque não sabemos quando vamos voltar e o ingresso custou bem caro!

Tem uma sala de descanso para os pais, mas é proibido entrar com crianças. No entanto, o parque é grande (até a gente que é adulto se perde por lá no começo, imagine crianças de 5 anos!), lotado e desorganizado. Ah, também não tem monitores orientando as crianças... Nós tivemos que dar a mão para o Henrique e levá-lo de atração em atração e explicar como funcionava, o quanto ele tinha que pagar ou receber, que tinha que esperar na fila... Eu não confio deixar meu filho no parque e ir descansar! Talvez para um pai de uma criança de 14 anos a sala sirva... mas daí, já dá para deixar a criança sozinha no parque e vir buscar mais tarde... Gastar R$ 50,00 para ficar sentado numa salinha, não dá!

Saímos acabados e com fome às 19:00 hs. Fomos comer no Madero (no Shopping Eldorado mesmo) e lá encontramos paz, tranquilidade e um hamburguer maravilhoso! Até que enfim!!!

Quando chegamos em casa o Henrique já estava dormindo e foi direto até o dia seguinte... Eu e o Rafa tomamos banho e fomos para a cama esgotados!

No dia seguinte o Henrique disse que a parte do passeio que ele mais gostou foi a hora de ir embora do parque e que não tem vontade de ir novamente...

Então, fica a dica!!! Acho que o passeio vale a pena para crianças maiores de 6 ou 7 anos!

Lívia.