quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Boas notícias misturadas ao medo do futuro...

Viva! Após 1 ano e 2 meses estou na minha casa!!!
Lembram que tínhamos vendido o nosso apartamento e o que compramos atrasou a entrega?! Pois é, ficamos todo esse tempo morando com os meus sogros... Fizeram de tudo para que nos sentíssemos em casa e à vontade e como sempre me trataram como filha... Foi um tempo bom, mas como já dizia Doroty: "Nenhum lugar no mundo é como o nosso lar!".
Finalmente estamos em casa, nosso cantinho, nosso aconchego...
Aos meus sogros tenho que dizer MUITO OBRIGADA!!! Obrigada por nos acolher, obrigada por perderem a privacidade de vocês por nossa causa com sorriso no rosto, obrigada pelo carinho, companheirismo e cuidado!!! OBRIGADA!!!

Já ajeitamos tudo e estamos voltando a nossa rotina, voltando para algo velho e novo ao mesmo tempo!!! Nossa rotina familiar (antiga) em uma casa nova, bairro novo!!! Mas está tudo ótimo e estamos extremamente felizes!!!

Ontem a noite o Henrique (já com 4 anos!) foi comigo para a cozinha. Juntos fizemos maminha acebolada e um bolo farofa maravilhoso (que só ficou bom hoje!) - tudo bem, estamos nos adaptando, ok?!
Hoje a tarde eu e o Henrique decoramos a casa pra o Natal. Montamos a árvore, o presépio, espalhamos enfeites pela casa (enquanto um CD de músicas de Natal tocava em nosso rádio). O clima de Natal foi entrando em meu coração, me fazendo pensar, refletir e um medinho apareceu dentro de mim... um medinho que vive me assombrando, às vezes vem e às vezes vai embora... O medo do futuro! Tenho medo de pensar que um dia estas tardes incríveis vão acabar. O Henrique vai crescer e não terá mais tempo para montar a árvore de Natal comigo, de cantar as músicas de Natal na minha companhia, não terá vontade de cozinhar ao meu lado... Um dia ele terá outras prioridades e como fica o meu coração de mãe? Arrasado! ... mas sei que tenho que me preparar para esse tempo que espero que esteja mais longe do que eu penso...
Quero aproveitar cada segundo da infância dele. Quero brincar junto, rolar no chão, beijar, abraçar, pegar no colo, correr, acalentar, quero escutar a doce voz dele cantando para mim, quero ouvir os barulhinhos que faz enquanto brinca, quero fazer parte do mundo imaginário dele e acreditar em tudo o que ele acredita... Quero que o tempo passe BEEEMM devagar. Quero aproveitar o meu pequeno, quero admirá-lo enquanto ele dorme, quero estar perto dele... E quero que um dia, mesmo depois de adulto que ele queira a minha companhia, que queira fazer parte da minha rotina, do meu tempo e que tenha paciência com a velha mãe que eu me tornarei, cheia de manias, medos, esquecimentos, mas ainda transbordando de amor por ele, o meu maior presente, o meu maior milagre: Henrique!

Até breve, espero que mais breve do que da última vez!

Lívia.

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Saudades...

Hoje me bateu uma saudade imensa desse cantinho!!!
Saudades daquelas que a gente sente no peito, que faz escorrer uma lágrima (ou muitas), saudades...

(imagem tirada da internet)


Muita coisa tem acontecido por aqui. No dia 19/09 do ano passado precisei deixar o meu apartamento (que vendemos para comprarmos um um pouco maior) e vim morar com a minha sogra. O meu apartamento novo atrasou um ano para ser entregue e por isso estamos todos aqui ainda!!!
O bom é que aqui todos nos damos muito bem, o ruim é que infelizmente tiramos a privacidade dos meus sogros e também não temos a privacidade que gostaríamos, mas logo, logo estaremos em CASA!
Estamos vivendo numa correria danada! Obras e mais obras!!!

Apesar de tanta correria, agradeço todos os dias por ainda poder acompanhar com calma o dia a dia do meu filho, meu eterno Pocoyo! Lindo, fofo, esperto!!! Crescendo mais a cada dia, aprendendo coisas novas, nos ensinando a viver de forma mais tranquila e calma.
Pois é, o Henrique está com 4 anos e 4 meses, alto e magrelo. Adora brincar! Continua inventando brincadeiras: detetive, animais, explorador, cabana, jogos...
Adora ouvir e ler histórias. Ama inventar personagens. É risonho, vê graça em tudo e tem o sorriso mais lindo desse mundo!!! Ele sorri com os lábios e sorri com os olhos!!! Consequência desses sorrisos: o coração do pai, da mãe, dos avós... sorriem também a cada um desses sorrisos!!!
Ele é a alegria da casa até nos dias mais nublados!!!

O dia das crianças está chegando e eu preciso deixar registrado aqui que eu amo a criança que tenho em casa!!! Amo vê-lo brincar, amo protegê-lo quando está com medo, amo carregá-lo no colo e aproveitar enquanto ainda posso fazer isso!!! Amo estar com ele, brincar com ele, fazer programas com ele. Amo, amo, amo.... Amo o Henrique mais que tudo e que todos!!!
Amo vê-lo correr, saltar, mostrar o que aprendeu, mostrar um machucadinho novo, mostrar a novo pulo...

Minha criança está crescendo, eu sinto cada mudança, cada desafio ao educá-lo, cada dificuldade nova que aparece no caminho, cada alegria de estar sempre pertinho dele!!!

Te amo filho, te amo demais!!!
Feliz Dia das Crianças para você!!! Desejo que você consiga levar para sempre essa criança que você é, essa ternura, essa alegria, essa esperança, esses sonhos, essa fantasia!!!

Feliz Dia das crianças para todas as crianças e para todos os adultos que mantém uma criança viva em seus próprios corações!!!

Lívia.

segunda-feira, 30 de junho de 2014

Momentos de FOFURA...

Tem frases e momentos que jamais podem ser esquecidos:

1) Mamãe assistindo a um filme e chorando...
"_ Mamãe, por quê você está chorando?"
"_ Eu queria parar o tempo!"
"_ Para eu não crescer e ficar sempre pequenininho?"
"_ É filho, eu queria que você fosse sempre pequenininho."
"_ mas você não tem esse poder de congelar o tempo!"
"_ não mesmo!"
"_ É só fazer de conta!"

Ah, filho, como as coisas são simples aos olhos de uma criança né!?


2) "_ Mamãe, você é a garota mais linda que o papai já viu!" (FOFO!!!!)


3) "_ Mamãe, quando eu crescer eu vou ter que construir um prédio para casar. Se eu não construir um prédio eu não vou ter onde morar com a minha namorada. (pausa para pensar) e.... papai, onde eu vou encontrar um filho?"
"_ Não se preocupe filho! Seu filho vai encontrar você"!

(frase linda de um papai lindo e preocupação fofa de um filho fofo!!!!)


4) Eu e o Henrique estávamos esperando o papai na garagem.
"_ Mamãe, me dê a sua mão!"
     Nos demos as mãos.
"_ Agora eu vou fingir que sou seu namorado, só fingir, porque eu sei que o papai é que é o seu namorado!"
Fiquei em silêncio, meio sem saber o que dizer!!!
O papai chegou. Coloquei o Henrique na cadeirinha, me sentei no banco do passageiro e saímos.
"_ Papai, eu fingi que era namorado da mamãe! Mas só fingi, viu!"

Morri de rir!!!!


5) Num aniversário, estávamos cantando parabéns e Henrique no meu colo. Assim que acabou, ele olhou para mim e disse: "_ Mamãe, você está magnífica hoje!" - Lisonjeada e feliz!!! Onde ele aprendeu essa palavra????


6) No mercado o Henrique estava me ajudando a colocar as compras no carrinho.
"_ Henrique, não jogue sua bolacha. Coloque com cuidado! As bolachas são delicadas!"
"_ São delicadas iguais as meninas?"
"_ Iguais as meninas!!!!"


7) Durante os jogos do Brasil, o programa do Henrique é assistir "Alvin e os Esquilos".
Assim que acabou o jogo, depois das penalidades e tudo, ele vem até a sala e diz:
"_ Agora eu quero ver o Brasil!" (um pouco tarde, meu filho!)


8) Eu: "_ Nossa, estou com uma dor de cabeça!"
    Henrique: "_ Toma Advil que passa!"
Garoto propaganda agora!!!????


9) Eu esfregando a camiseta da escola do Henrique no tanque.
"_ Mamãe, o que você está fazendo?"
"_ Tentando tirar essa mancha de suco da sua camiseta!"
"_ Você tem que usar um produto rosa que chama Vanish!"
kkkk.... Mais uma propaganda!!!!


10) Estávamos jogando Jogo da Memória e o Henrique ganhou o jogo. Logo em seguida e todo feliz, me diz: "_ Eu ganhei, viva!!! Você perdeu porque não prestou muita atenção!!!"
Posso com isso?!


Lívia.

sexta-feira, 27 de junho de 2014

O modo francês de educar os filhos? Extremismos para quê?

Para quem ainda não viu, tem se falado muito ultimamente sobre o jeito francês de educar os filhos. Tudo isso por causa de um livro que virou best-seller no mercado. Ainda não li o livro, o que li foi essa matéria que você pode conferir aqui:

http://m.mdemulher.abril.com.br/familia/modo-frances-educar-filhos-revela-preciso-preservar-direitos-pais-778030

A conclusão a que cheguei após ler a matéria é a seguinte:

É possível educar uma criança que não faça birras e não traga constrangimentos sem o MODO francês!

Existe uma grande diferença entre colocar limites e criar uma criança como um pequeno adulto. Criança é criança e adulto é adulto! Acho feio e detesto crianças fazendo birras, temos mesmo que colocar limites. A criança tem que entender que tudo tem hora, que são os pais que têm autoridade, que devem respeitar desde os mais velhos até os seus coleguinhas de classe, tem que aprender a lidar com a frustração e entender que nem tudo acontece como a gente quer e nem na hora em que a gente quer. É função dos pais ensinar tudo isso aos filhos, é função dos pais serem exemplos. É função dos pais mostrar autoridade e limites e não permitir acessos de birra em público (coisa que é desagradável para a criança, para os pais e para todas as outras pessoas que estão a sua volta no momento). No entanto, acho que toda criança já fez birra pelo menos uma vez na vida (até mesmo as francesas) e que é nesse momento que educamos: você pode ceder ao que a criança quer para que ela pare de dar show e envergonhar você (e aí você perdeu, toda vez que ela quiser algo vai agir dessa maneira porque entendeu o seu ponto fraco), ou você pode mostrar que não adianta fazer birra, naquela hora aquilo que ela quer não é possível (e por mais que ela chore, grite, se jogue no chão, verá que não adianta mesmo e  não repetirá tal atitude). Também acho que não é preciso bater, é possível resolver as coisas conversando, esperando a criança se acalmar e acho legal reavaliar o acontecido com a criança mais tarde ou num próximo evento. Por exemplo: "_ Vamos ao shopping novamente e como você já sabe não poderemos ir à loja de brinquedos hoje, então não adianta fazer birra, chorar e gritar! Se isso acontecer novamente talvez você não possa ir comigo da próxima vez!" (e cumprir o combinado caso isso ocorra novamente)!
O adulto precisa ter em mente que criança precisa de rotina (isso a faz sentir-se segura). Precisa de limites e precisa respeitar, porém, a criança também precisa ser respeitada. Criança precisa ter hora para brincar, precisa fazer coisas que gosta, assim como os adultos! Então se hoje fomos a um restaurante mais sério, num programa de adultos, amanhã poderemos ir ao zoológico e fazer um programa de criança!
Aqui, ensinamos o Henrique assim: numa família todos se respeitam! "_ Ontem nós o levamos ao cinema, comemos pipoca e brincamos no parquinho, hoje você nos acompanha em nosso programa!" - e é claro que ele sempre vai acompanhado de livrinhos, cadernos para colorir e brinquedinhos...
Quero ler o livro para ver se o entendo da mesma maneira que a Rosane Queirós (autora da matéria que citei acima), mas acho que ser extremista ao criar os filhos como pequenos adultos que não vão ao parquinho, não podem se sujar ao comer, não podem interromper os adultos em suas tarefas só trará mais e mais gerações de crianças e adultos infelizes e amargos!

sexta-feira, 30 de maio de 2014

4 anos do mais intenso amor da minha vida...

Henrique,



... essa data chegou mais uma vez... que bom!!!
Dia primeiro de junho é o seu dia!!!
veio aproximando-se aos poucos, quase imperceptível!

No último mês comecei a sentir um nó na garganta, como sinto todos os anos quando o seu aniversário, meu pequeno (nem tão pequeno assim!), chega. Me sinto saudosista, tenho uma mistura louca de sensações que só passei a experimentar depois do seu nascimento.
Sinto uma intensa alegria por você irradiar os meus dias há 4 anos, sinto uma imensa alegria em vê-lo crescer saudável e feliz! Penso lá longe: quando você for um homem feito, mas presente, um homem em que eu ainda enxergue esse menino maravilhoso que você é: alegre, brincalhão, cheio de sonhos... Ao mesmo tempo, me pego chorosa, com uma saudades imensa de quando ainda se mexia dentro da minha barriga, com saudades do seu choro de madrugada, com saudades da época em que te amamentei, sinto falta da época em que pude vê-lo se virar pela primeira vez, engatinhar, dar seu primeiro passinho... Tenho saudades de ouvir seus gritinhos de euforia quando escutava uma musiquinha cantada por mim, tenho saudades da sua gargalhada cada vez que jogava um brinquedo no chão para que eu pegasse (e achasse graça nisso mesmo depois de umas 15 vezes...).... Tenho saudades do bebê que você foi, mas amo o menino que você é! Meu companheiro, que adora caminhar de mãos dadas comigo, que me pede para deitar ao seu lado de vez em quando, meu menino que adora um cafuné, que é meigo e carinhoso, que beija a minha mão, me chama de linda e me diz "eu te amo" várias vezes ao dia!!!
Quando fecho os meus olhos posso sentir cada uma das coisas que listei acima como se estivessem acontecendo neste exato momento!
Também tenho medo... sabe aquilo instinto protetor, o tal instinto materno?! É ele que me atormenta com o seu crescimento. Tenho medo do que virá, tenho medo do futuro, medo de deixá-lo livre para voar, medo desse mundão aí fora... Queria que você fosse eternamente pequeno e que coubesse eternamente em meu abraço, mas sei que daqui a pouco, sou eu quem irá caber em seu abraço! Espero corresponder seu amor com mais amor ainda todos os dias, espero ser uma mãe carinhosa, atenciosa, que esteja sempre ao seu lado, com quem você sempre possa contar, para quem você possa desabafar os seus medos e angústias e com quem você possa comemorar as suas vitórias e alegrias...
Quero ser tudo isso apesar de saber que sou imperfeita, que tenho muito a aprender (e como tenho aprendido com você!), que tenho meus medos, minhas manias... Espero que quando você estiver crescido veja em mim todo esse amor e tempo que sempre dediquei a você e que você venha até mim sempre que precisar e que possa estar ao meu lado sempre que eu também precisar! (Pode não parecer, mas os adultos e os velhos também precisam de atenção, carinho e paciência!)...
Filho, quero que você saiba que você é o nosso milagre (meu e de seu pai), quero que saiba que você é a nossa razão de viver, nosso oxigênio, nosso amor maior! Você faz nossos dias mais felizes, nossos invernos mais quentes, nossa casa mais alegre!!!
Você é sempre será a melhor parte de nós!!!

Obrigada por ter chegado, virado nossas vidas de ponta cabeça e ter trazido as crianças que existem dentro de nós à tona! Obrigada por fazer parte das nossas vidas!!!

Nós te amamos demais!!! Parabéns, muitas felicidades, brincadeiras e sonhos realizados!!! Que o Papai do Céu continue sempre cuidando de você e te abençoando!!!



Mamãe e Papai.

quarta-feira, 28 de maio de 2014

Que delícia que é brincar!!!

Estamos na Semana Mundial do Brincar e hoje é um dia muito especial: é dia de blogagem coletiva sobre o assunto... e como o nome do blog diz (Diversão em Família), diversão e brincadeira é o que mais gostamos por aqui!!!
Vou começar falando de mim...
Quando eu era criança, eu gostava de brincar de muitas coisas... Gostava de brincar de "Nunca 3" com meus amigos da escola. Essa brincadeira, para quem não conhece, funciona assim: Várias crianças sentam no chão (de duas em duas), cada dupla deve ficar com uma criança sentada na frente e outra sentada atrás. Depois define-se um pegador e alguém que irá fugir. A criança que está fugindo deve sentar atrás de uma dupla para não ser pega, assim que ela sentar, a criança que está na frente sai correndo para pegar o antigo pegador, que por sua vez foge e senta atrás de outra dupla e assim por diante. Se o que está fugindo for pego, trocam de papéis. Pegador foge e o fugitivo vira pegador. Também gostava de brincar de "Corre Cotia", de bambolê e bolinha de sabão... mas, meu brinquedo favorito era uma boneca em especial. Dei a ela o nome de Isadora. Era a única boneca que tinha os olhos castanhos como os meus. Ela usava pilhas para falar, mas nunca gostei de bonecas que falavam ou se mexiam, sempre gostei de imaginar, de brincar. Por isso, nunca coloquei pilhas na Isadora. Andava com ela para cima e para baixo, dava banhos, trocava, enrolava-a numa manta e colocava-a para deitar na gaveta que ficava embaixo da minha cama (aberta) e fazia de conta que lá era o seu berço... Pasmem!!!! Brinquei de boneca até os meus 14 anos... Comecei a namorar e ainda brincava com ela (escondido, depois que meu namorado ia embora de casa)! Um dia meu namorado voltou e me pegou brincando de boneca... Achou graça, mas me entendeu e estamos juntos até hoje (há quase 18 anos)!!! Que saudades daqueles tempos, ainda bem que posso revivê-los com o Henrique!!!
Aqui em casa, não poderia ser diferente. O Henrique ama brincar!!! Adora correr, brincar de pega-pega, esconde-esconde, brinca que é um macaco, que é um cachorro, brinca de carrinho, com miniaturas de bichinhos, de super-herói... Ama instrumentos musicais e é claro, ama parquinhos e areia!!!... Adora imaginar coisas também: habilidade que herdou do papai e da mamãe! Se pega um rolo de papel higiênico, logo o transforma em luneta ou caleidoscópio... Colheres viram antenas, um papel se transforma em barquinho, avião ou chapéu, um palito vira baqueta e ele toca bateria ou rege uma orquestra com uma linda batuta. A peça do lego vira flauta... Sem falar nas coisas completamente imaginárias que ele inventa: coloca armaduras, pega o tesouro do pirata, usa óculos, vira detetive, usa mochila (tudo isso sem nada em mãos! Apenas o que sua própria imaginação consegue ver!!!).
Vida de criança deve ser assim: cheia de brincadeira, cheia de diversão, cheia de imaginação, de música, de alegria, de carinho, compreensão e exemplos... Assim elas aprendem e é isso que elas levam como lembrança...


Agora deliciem-se com telas que representam o brincar e fotos do Henrique brincando, sendo criança!!!

("Crianças brincando no pomar" - Jennie Augusta Brownscombe)

("Crianças brincando na praia"- Mary Cassatt)


("Gabriele e Jean"- Auguste Renoir)


Fotos do Henrique:

(brincando de aranha)

(brincando no escorregador)

(jogando bola)

(no parquinho)

(brincando na bacia)

(banho de mangueira)

(na areia da praia)

(no balanço...)

(bolinha de sabão)

(cabaninha)

(brincando com fitas)
.
.
.

E vocês também brincam muito por aí?!

Desejo muitas brincadeiras a todos!!!

Lívia.

sexta-feira, 23 de maio de 2014

Sea World: Não quero para o meu filho!!!

   Sim, eu estive lá quando fiz 15 anos. Foi um espetáculo lindo ver aquela baleia enorme nadando, brincando, fazendo graça, "sorrindo"... Ela parecia sorrir! Leiam bem: PARECIA sorrir!
   Depois, os anos passam, a gente amadurece, a cabeça pensa mais e mais e dúvidas passam pelas nossas vidas. Até que ontem a noite eu e meu marido resolvemos assistir a um documentário sobre as baleias do Sea World, sobre os adestradores que sofreram ataques por parte dessas baleias, uns ficaram levemente feridos, outros gravemente e outros faleceram de maneiras cruéis.
   Após assitir ao documentário percebi que as orcas não são baleias assassinas como costumamos ouvir por aí. Elas mataram sim, atacaram sim, não estavam brincando... mas os verdadeiros assassinos, os cruéis de verdade são os seres humanos!
   Quando escutei os relatos dos caçadores de baleias, dos adestradores, percebi muita emoção e verdade em seus relatos. Um caçador de baleias disse que caçar filhotes para um parque foi a pior coisa que ele fez na vida. Na captura de um filhote, morreram na rede outras três baleias. Elas vivem em família, não abandonam suas mães e se ajudam nas horas difíceis. Quando capturaram Tillykum (esse filhote ao qual acabei de me referir), a mãe ficou chorando e gritando, todas as outras baleias poderiam fugir, mas ficaram ali, tentando salvá-lo. O caçador falou que só então se deu conta do que estava fazendo, que não segurou a onda e começou a chorar, disse que foi como raptar uma criança, tirá-la da mãe. É isso mesmo! Já imaginou alguém mais forte, vindo e tirando o seu filho dos seus braços? Desumano!!!
   Além disso, como as baleias vivem em grupos (cada grupo fala a sua língua, etc...), quando Tilllykum chegou ao primeiro parque, sofreu muito por não ser aceito no grupo de baleias e com o primeiro adestrador que castigava ele e a outra baleia cada vez que erravam o número ou não faziam o que ele queria que fizessem. Além de ser castigado pelo adestrador (ficar sem comer, etc...), a outra baleia que era mais experiente e não errava os números, era castigada junto e nervosa agredia Tilly com mordidas... Anos mais tarde, após matar uma adestradora, ele foi para o Sea World,é possível entender melhor esses fatos após assistir ao documentário...
   Quando as baleias procriam dentro do parque, muitas vezes as mães são separadas dos filhotes, que são mandados para outros parques e isso gera novas traumas nas mães e nos filhotes.
Muitas vezes as baleias ficam em pequenas piscinas e por stress brigam e agridem-se. Já ocorreu até morte entre as baleias!
   As cenas do documentário são tristes e é claro que por ser uma indústria que dá muito dinheiro, muitos casos são abafados. Me senti culpada por já ter ido ao Parque. Ao final do documentário chorei!
Senti uma mistura de culpa, de tristeza, de vergonha do ser humano. Senti que não posso e não quero levar o meu filho para lá. Não quero que ele ache normal uma baleia viver numa piscina, não quero que ele ache normal baleias, golfinhos, tubarões viverem fora do seu habitat natural e além disso dar show para nós (considerados por muitos como seres superiores!). Não quero que meu filho tenha como exemplo que cativeiros sejam algo natural!
   Eu e meu marido queremos que nosso filho aprenda a respeitar ao próximo. Seja ele ser humano, animal, vegetal... Queremos que ele respeite a natureza, que cuide dela, que entenda que estamos na Terra para convivermos em harmonia e não para destruirmos nosso planeta e as vidas que ela habitam!

   O nome do documentário é: Blackfish. Vale a pena assitir!!!

Quero um mundo onde os animais vivam assim:












(imagens tiradas da internet)

Lívia.



sexta-feira, 9 de maio de 2014

BC - Coisas de Mãe


Puxa, faz tanto tempo que não participo de uma blogagem coletiva!!! Até que enfim consegui e aqui estou eu para participar dessa blogagem deliciosa... Maternar é bom demais e melhor que tudo!!!

Coisas que toda mãe faz...

- Ficar acordada para ter certeza de que o bebê está respirando.
- Beijar e abraçar o filho o dia todo!!!
- Virar criança e brincar junto.
- Ficar angustiada se o filho ficar doente.
- Ficar babando a cada nova descoberta da criança!
- Achar que o filho é a criança mais linda e esperta do mundo!!!
- Verificar se o filho está coberto antes de dormir.
- Rezar e pedir a Deus que cuide muito bem de nossos filhos!!!
- Ficar com o coração apertado sempre que nosso filho se decepciona...
- Chorar de alegria e emoção com frequência.
- Rir das gracinhas do filho...
- Ficar brava quando necessário (sempre com uma dose de mel).
- Sentir-se culpada por quase tudo...
- Ter medo de que alguma coisa aconteça ao filho!
- Sofrer com a rápida passagem do tempo!!!
- AMAR, AMAR E AMAR o filho!!!

Coisas que toda mãe diz...

- Eu amo você!!!
- Deus te abençoe!
- Vou estar ao seu lado toda vez que você precisar!
- Quais são as palavrinhas mágicas?
- Cuidado! Você vai se machucar!!!
- O que foi que eu falei?!
- Vamos brincar?!
- Não precisa ter medo!!!
- Me dá um abraço?!
- O que você quer fazer hoje?!!!
- Parabéns! Estou muito orgulhosa de você!!!
- É claro que você vai conseguir!
- Faça do seu jeitinho!!!
- Agora chega de correr!
- Está na hora de ir dormir!!!
- Venha escovar os dentes!!!
- Está frio lá fora, venha colocar uma blusa!!!
- Quer que eu fique aqui com você?!
- Eu te amo mais que tudo!!!
- Precisa comer para ficar forte!!!


Agora, só para terminar... Qual é a palavra que os filhos mais falam?

MÃAAAAEEEEE!!!!!!!!!!!!!!!

Filho, obrigada por fazer de mim uma mãe! Te amo mais que tudo!!!!



Lívia.


terça-feira, 6 de maio de 2014

Sobre as cores e seus significados...

Toda vez que vamos a alguma casa, o Henrique a classifica por alguma cor...
Pode ser a cor da casa, de uma das paredes ou de algum objeto que lhe chame a atenção...
Isso vem acontecendo desde que ele descobriu as cores e continua até hoje... Faz tempo, viu!?

Acredito que as cores tem grande importância para o Henrique. Além de nomear as casas que frequentamos, ele também adora separar brinquedos por cores na hora de brincar, adora desenhar, pintar... Também adora falar os nomes das cores em inglês... Cores, cores e cores!!!

As suas prediletas são azul e verde! A minha é azul, seguida de cor de laranja!!!

A casa em que morávamos antes era a CASA LARANJA.
A casa dos meus sogros é a CASA VERDE.
A casa dos meus pais é a CASA VERMELHA.
A casa em que uma amiga morava era a CASA ROXA.
Também tem a casa branca, entre outras...

... e quais são os significados das cores?

Segundo o que andei pesquisando por aí:

PRETO: luto, terror, mistério, fantasia, luxo.

BRANCO: Paz, calma, pureza, inocência.

CINZA: Medo, depressão, estabilidade, sucesso.

BEGE: Calma, melancolia.

VERMELHO: Paixão, amor, desejo, orgulho, violência, poder, elegância, requinte, liderança.

VERDE: Vigor, juventude, frescor, esperança, calma, virilidade, contentamento, proteção.

AMARELO: Calor, luz, descontração, prosperidade, otimismo.

LARANJA: Movimento, espontaneidade, amizade.

AZUL: Lealdade, fidelidade, sutileza, sonhos, tranquilidade, compreensão.

MARROM: Maturidade, consciência, responsabilidade, conforto, estabilidade, resistência, simplicidade.

ROXO, LILÁS: Tristeza, prosperidade, respeito, espiritualidade, intuição.

ROSA, SALMÃO: Beleza, saúde, sensualidade, romantismo, carinho, fragilidade, delicadeza, compaixão, felicidade, harmonia.

PRATEADO: Modernidade, inovação.

DOURADO: Riqueza.

...

E você? Qual cor é a sua preferida? Sua casa tem alguma cor que prevalece?

Lívia.







sexta-feira, 25 de abril de 2014

... quando os sonhos não se realizam...

Hoje, depois de muito tempo, resolvi vir até aqui e colocar o meu coração nessa postagem!

Já falei aqui no blog sobre a dificuldade que tive para engravidar do Henrique! Pode não parecer muito, mas para mim os 9 meses de tentativas pareceram uma eternidade e até hoje me lembro daqueles meses de ansiedade e frustração como se fossem hoje... Eu não era novinha, mas também não era velha, iniciei as tentativas com 26 anos...
Quando pensei em ser mãe, parei de trabalhar! Queria me dedicar a minha gravidez, sem stress... Queria tempo para curtir minha barrigona, queria tempo para acariciá-la, queria poder relaxar durante a tarde ouvindo música clássica ou de ninar, queria ir ao médico com tranquilidade. Demorou 9 meses para eu engravidar e mesmo assim precisei tomar hormônio para que meu sonho se realizasse. Graças a Deus, consegui! Engravidei, tive uma gestação maravilhosa, do jeito que eu queria, sem enjôos, sem problemas e curti muito cada momento! Preparei com calma o quartinho, lavei as roupinhas, arrumei o armário, as malas e me preparei para receber o presente mais precioso da minha vida! O Henrique chegou cheio de saúde, lindo, fofo... Meu anjo!!!
Ser mãe sempre foi o meu sonho e o Henrique é tão maravilhoso que me fez querer mais um!
Começamos as tentativas logo. O Henrique tinha apenas 1 ano e três meses. Queria muito um segundinho e também queria alguém para brincar com o Henrique, alguém que lhe fizesse companhia e que pudesse compartilhar com ele os bons e maus momentos mesmo no dia em que eu e meu marido não estivéssemos mais aqui...
E aí já se vão 2 anos e sete meses de tentativas, de frustração, de tristezas, de choros...
São 31 meses tentando, esperando que a menstruação não venha, esperando por mais um milagre, esperando, esperando, esperando... Se a menstruação atrasa um dia, a gente se enche de expectativa e logo aquele sonho é destruído pela própria natureza... O pior é que as vezes a menstruação insiste em atrasar 1, 2, 3, 4, 5 dias.... e depois aparece do nada, quase como uma piada!
Além dos atrasos também tem meses em que parece que você vai explodir ou morrer com os sintomas da TPM e em outros nenhum sintoma aparece... Daí, adivinhem: novas expectativas e novas frustrações!!!
Já fizemos todos os exames, já fomos a especialistas e está tudo bem! Nenhum problema fisiológico. Que bom!!! Pelo menos isso!!!
O fato é que eu cansei, joguei a toalha!!!
Não quero mais tentar, quero apenas seguir a minha vida... Não vou me prevenir (ainda), mas não vou mais contar ovulação, não vou mais contar os dias do ciclo, não vou mais ficar esperando que isso aconteça... Na verdade, já não acredito mais que isso possa acontecer!
Dói, dói demais quando meu filho pergunta porque ele não tem um irmão. Dói quando ele entra numa loja pega algo pequenino e diz: "- Isso vai ficar ótimo no meu irmãozinho!". Dói quando me perguntam quando vou encomendar o segundo. Dói cada vez que vejo uma notícia de uma mãe que abandonou um filho, ou jogou no rio, ou matou uma criança inocente...
... dói, mas essa ferida precisa fechar!
Hoje eu já aceitei que a vida é assim: tem mulher que não quer engravidar e engravida, tem mulher que quer e não engravida, tem mulher que tem muitos, tem mulher que não tem nenhum!!!

Eu tenho o Henrique e ele é o meu maior presente!!!
O meu sonho de ter dois não se realizou, mas o meu primeiro sonho já aconteceu, meu primeiro milagre está aqui, cada dia mais fofo, cada dia mais companheiro...

Por isso, deixo aqui o meu recado para ele:

Henrique,

Eu e o papai amamos você! Amamos você mais que tudo!!!
Você é nosso milagre, nosso anjo, nosso filho!
Você é nosso sonho realizado.
Você transformou um casal em uma família,
Transformou a mulher em mãe e
o homem em pai!
Você nos faz cada dia mais felizes!!!
Você é nosso tudo!!!

*          *          *           *          *          *          *          *          *          *          *

Desculpem pelo post longo!

Lívia.

sábado, 29 de março de 2014

... o que realmente vale a pena?

Vale a pena acordar todos os dias ao lado das pessoas que te amam...
Vale a pena abrir as janelas e deixar o sol entrar em nossa casa...
Vale a pena sentir a brisa no rosto e ver a dança das cortinas ao vento!
Vale a pena enxergar-se no olhos do outro...
Vale a pena parar os afazeres para brincar de esconde-esconde com o filho pequeno...
Vale a pena ver as marcas dos dedinhos do filho nos vidros e espelhos da casa...
Vale a pena lembrar que eles crescerão e todas essas fofuras acabarão, é preciso aproveitar!!!
Vale a pena tomar um bom vinho na companhia do marido numa sexta-feira a noite!
Vale a pena sentir os pés descalços sobre a grama verde...
Vale a pena escutar o silêncio durante alguns minutos do dia!
Vale a pena participar das fantasias das crianças...
Vale a pena deixar a água do chuveiro quente cair sobre o rosto!
Vale a pena comer direito para manter-se bem e saudável!
Vale a pena sair da dieta de vez em quando para comer um doce que te dá prazer!
Vale a pena viver a vida em seu sentido mais amplo...
Vale a pena usar o lema: Carpe Diem!
Vale a pena deixar o computador e o celular de lado e sentar na mesa rodeado de amigos e de uma boa conversa!
Vale a pena dançar juntinho!
Vale a pena pular junto com o filho e depois se jogar no chão!
Vale a pena lembrar dos bons momentos...
Vale a pena lembrar dos maus momentos e tirar grandes lições de cada um deles!
Vale a pena ver o dia começar e a noite desaparecer!
Vale a pena apreciar o luar de vez em quando...
Vale a pena ver poesia nas pequenas coisas da vida!
Vale a pena fazer com que as coisas valham a pena!!!

Lívia.

sexta-feira, 14 de março de 2014

Henrique, eu amo você!!!



Eu amo você, meu filho! Amo cada parte de você: seus cabelos cacheados, seus olhos amendoados (cor de jabuticaba), seu narizinho arrebitado, sua boquinha linda. Amo seu corpinho alto e magro. Amo sua mãozinha e seus pezinhos. Amo a sua voz e o seu jeito tagarela de ser!
Amo te ver brincando, te ver imitando personagens, te ver correndo, pulando, saltando...
Amo dar comida na sua boquinha e amo também ver você comendo sozinho!
Amo carregar você no colo!
Amo ter você como meu companheiro, um menininho que passeia de mãos dadas comigo, um menininho que vai comigo ao cinema, aos cafés...
Amo o jeito que tem ao fazer carinho em meus cabelos, ao me dar beijinhos!
Amo te ver de pijaminha.
Amo te ver brincar no chuveiro ou na banheira.
Amo te ver correndo em minha direção para me abraçar ou pular no meu colo.
Amo te ver nadando e dando "bombas"na piscina...
Amo te ver crescer, se desenvolver e aprender. Amo ver você fazer descobertas!
Amo te ver cantar e tocar os seus instrumentos!
Amo escutar "mamãe"e "eu te amo!".
Amo o seu jeito sensível de reagir à algumas músicas e filmes.
Amo o seu sorriso forçado ao tirar fotos!
Amo o seu jeito sarrista e brincalhão!
Amo o seu biquinho de choro!
Amo o seu jeito independente de ir ao banheiro, ao tentar se vestir...
Amo quando corre para mim ao se machucar ou quando tem medo.
Amo quando vejo a cumplicidade e o amor que você e seu pai têm um pelo outro. Amo ver vocês brincando juntos, se abraçando e imitando o Daniel Sam (em karatê kid).
Amo ver você (pequenino) no colo tão grande do papai. Amo ver vocês sorrindo em para o outro e se olhando com um olhar que diz: "amigos para sempre!".
Amo te colocar para dormir, te contar histórias, rezar o "Santo Anjo"com você. Amo te encher de beijinhos, fazer o sinal da cruz em sua testa e pedir a Deus que te abençoe. Amo te ver abraçado ao seu "naninha". Amo fazer o seu mamá. Amo ver os seus olhinhos cansados girando e fechando de seno ao tomar o seu leitinho. Amo te ver dormir, te ver tão lindo, pequeno e grande ao mesmo tempo em sua caminha!
Amo cheirar o seu cangote "azedinho"ao acordar! Amo te ver descabelado vindo nos dar "Bom Dia!".
Amo você, as carinhas que você faz, o seu jeito de ser!
Te amo do jeitinho que você é.
Te amo ontem, hoje e para sempre!!!
Eu amo você!!!

Beijinhos!

Mamãe.

segunda-feira, 10 de março de 2014

Como a ordem de nascimento afeta a personalidade dos irmãos...


Li essa matéria da Dr. Gail Gross aqui: http://www.brasilpost.com.br/dr-gail-gross/personalidade-dos-irmaos_b_4918560.html

Estou repassando o texto completo aqui no blog porque achei muito interessante, só fiquei na dúvida do papel do segundo filho (se só existirem dois filhos ou no caso de gêmeos...) Vou pesquisar mais a respeito! Vale muito a leitura!!!

(imagem tirada da internet)


O realizador, o pacificador e o brincalhão: como a ordem de nascimento afeta a personalidade dos irmãos


"Você vai fazer uma viagem de carro com seus irmãos adultos. Qual desses três cenários mais se parece com você?
1. Você vem planejando a viagem há semanas, já cuidou das reservas de hotel e restaurante, trocou o óleo do carro e encheu o tanque. E até já mapeou as paradas para descanso ao longo do caminho.
2. Você passou a manhã na correria, tentando aprontar tudo. No final, jogou lanches e roupas na mala de qualquer jeito, na última hora. Se é você quem vai dirigir, está torcendo para encontrar um posto na estrada e encher o tanque, que está pela metade.
3. Viagem em família? Vai ser divertido! Você aceitou o convite porque vai ser uma curtição e não planejou contribuir com nada, exceto suas piadas e historinhas divertidas. Você curte os lanches que seus irmãos mais velhos trouxeram. Percebe que talvez precise comprar um agasalho mais apropriado quando vocês chegarem ao destino.
Se você se identifica com o cenário nº 1, é provável que seja o filho primogênito.
Se o segundo cenário o descreve bem, você é provavelmente o filho do meio.
Você se identifica mais com o cenário nº 3? O mais provável é que seja o caçula.
A ordem de nascimento faz diferença
Alguns pesquisadores consideram a ordem de nascimento tão importante quanto o gênero e quase tão importante quanto questões genéticas. É a velha história da natureza versus criação. Em minha experiência de educadora e pesquisadora, sei que não existem dois irmãos que tenham os mesmos pai e mãe, mesmo que vivam na mesma família. Por que? Porque os pais são diferentes com cada um de seus filhos, e não há dois filhos que desempenhem o mesmo papel. Por exemplo, se você é o filho cuidador, o papel de cuidador já terá sido tomado, e seu irmão escolherá outro papel para exercer na família, talvez o do realizador.
Somos pais diferentes com cada filho
Como pai ou mãe, você se lembra bem de seu primeiro filho. Foi aquele que você vigiava quando estava dormindo, para ter certeza de que continuava a respirar. Foi o bebê que você carregou no colo e amamentou e/ou para o qual esterilizou mamadeiras por mais tempo. Esse filho é o único que terá tido o monopólio dos pais; todos os outros filhos foram obrigados a dividi-los.
O filho primogênito nasce numa família de adultos que se orgulha de cada conquista dele e teme todo machucado ou acidente potencial. O filho do meio com frequência é dominado pelo primogênito, que é mais velho, sabe mais e é mais competente. Quando nasce o filho caçula, os pais geralmente já estão cansados e têm menos tendência a querer controlar tudo. Quando você tem seu caçula, já sabe que seu bebê não vai quebrar; logo, pode ser mais flexível em termos de atenção e disciplina. O resultado é que seu bebê aprende desde cedo a seduzi e divertir vocês.
O realizador, o pacificador e o brincalhão
Enquanto o filho mais velho é programado para alcançar excelência e realizações, o filho do meio é criado para ser compreensivo e conciliador, e o caçula quer atenção. Assim, a ordem de nascimento dos filhos é uma variável poderosa no desabrochar da personalidade de cada um.
O primogênito: o realizador
O primogênito provavelmente terá mais em comum com outros primogênitos do que com seus próprios irmãos. Pelo fato de ter sido alvos de tanto controle e atenção de seus pais, marinheiros de primeira viagem, os primogênitos são responsáveis até demais, confiáveis, bem comportados, cuidadosos --versões menores de seus pais.
Se você é filho primogênito, é provável que seja um realizador que busca aprovação, domina e é aquele perfeccionista que suga todo o oxigênio que há na sala. Você pode ser encontrado em profissões que requerem liderança, como direito, medicina, ou ser CEO de uma empresa. Como mini-pai ou mãe, também tenta dominar seus irmãos. O problema é que, quando nasce o bebê número dois, você tem um sentimento de perda. Ao perder seu lugar no trono familiar, você também perde o lugar especial decorrente da singularidade. Toda a atenção que era voltada exclusivamente a você agora terá que ser compartilhada entre você e seu irmão.
O filho do meio: o pacificador
Se você é filho do meio, é provável que seja compreensivo, cooperador e flexível, mas também competitivo. Você se preocupa com o que é justo. Na realidade, como filho do meio, é muito provável que escolha um círculo íntimo de amigos para representar sua grande família. É nesse espaço que encontrará a atenção que lhe faz falta em sua família de origem. Como filho do meio, você é quem recebe menos atenção de sua família, e por essa razão essa família que você escolheu é sua compensação. Como filho do meio, você está em muito boa companhia: presidentes americanos notáveis e celebridades como Abraham Lincoln, John F. Kennedy, Winston Churchill, Bill Gates, Donald Trump e Steve Forbes também o são. Embora em muitos casos você só se destaque mais tarde na vida, acabará em profissões poderosas que lhe permitam fazer bom uso de suas habilidades de negociador -- e também conseguir aquela atenção que lhe faz tanta falta.
Você e seu irmão mais velho nunca vão se destacar na mesma coisa. O traço de personalidade que o define como filho do meio será o oposto daquele de seu irmão mais velho e do menor. Mas as ótimas habilidades sociais que você aprendeu por ser o filho do meio --negociar e orientar-se dentro de sua estrutura familiar-- podem prepará-lo para um papel de empreendedor num palco maior.
O filho caçula: aquele que anima a festa
Se você é o caçula da família, seus pais já se sentiam confiantes em seus papéis de cuidadores; por essa razão, eram menos rígidos e não necessariamente prestavam atenção a cada passo ou marco seus, como fizeram com seus irmãos mais velhos. Assim, você deve ter aprendido a seduzir as pessoas com seu charme e simpatia.
Como filho caçula, você tem mais liberdade que os irmãos mais velhos e, em certo sentido, é mais independente que eles. Como o caçula, você também tem muito em comum com seu irmão mais velho, já que vocês foram tratados como especiais, dotados de certos direitos inatos. Sua influência se estende a toda a família, que lhe dá apoo emocional e físico. Logo, você tem um sentimento de segurança e de ter seu lugar próprio.
Provavelmente não o surpreenderá observar que os filhos caçulas com frequência encontram profissões ligados ao entretenimento, como atores, comediantes, escritores, diretores e assim por diante. Eles também dão bons médicos e professores. Como seus pais foram mais descontraídos e lenientes, você tem a expectativa de ter liberdade para seguir seu próprio caminho em estilo criativo. E, como o caçula da família, carrega menos responsabilidade, e por essa razão não atrai experiências responsáveis.
O filho único
Se você é filho único, cresce cercado por adultos e, por essa razão, com frequência sabe verbalizar as coisas bem e tem bastante maturidade. Isso possibilita ganhos de inteligência que excedem outras diferenças de ordem de nascimento. Tendo passado tanto tempo sozinho, você é engenhoso, criativo e tem confiança em sua independência. Se você é filho único, na realidade tem muito em comum com os primogênitos e também com os caçulas.
Pais: conheçam seus filhos
Em última análise, é importante para os pais conhecer seus filhos. Ainda mais importante que a ordem em que eles nasceram é criar um ambiente positivo, sadio, seguro e estimulante. Compreendendo a personalidade e o temperamento de cada filho, você pode organizar o ambiente dele de modo a aproximá-lo de seu potencial mais pleno. Por exemplo, sabendo que o filho primogênito tem grande senso de responsabilidade, você pode aliviar a carga dele, e reconhecendo que o caçula está vivendo em um ambiente mais leniente, você pode ser mais exigente em termos de disciplina.
A criança precisa ter direito de buscar seu próprio destino, seja qual for seu papel na família, e, como mãe ou pai, sua tarefa mais importante é apoiá-la nessa sua jornada individual."

Adorei!!! Espero que vocês tenham gostado também!!!

Lívia.

quinta-feira, 6 de março de 2014

Henrique...

Hoje, logo pela manhã, enquanto levávamos o Henrique para a escola, o Henrique dispara mais uma entre tantas de suas pérolas:
_ Mamãe, olhe que coisa feia! Alguém rabiscou a parede com giz amarelo!
_ Feio mesmo filho! Isso se chama pixação! Não é legal pixar muros!
_ É, eu achei que o muro ficou muito feio! Só pode rabiscar no papel, né?!
.
.
.
Ai filho... tão pequeno e já começou a perceber algumas falhas que os seres humanos têm ao viver em sociedade: não respeitar o próximo!!!


Lívia.

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

A organização de um evento é tudo ou nada!!!

No sábado, fomos almoçar em Campinas com alguns amigos e logo em seguida partimos para o bailinho de carnaval do Palavra Cantada no LBN Hall Campinas.

O show tinha tudo para ser bom... mas não foi! A organização do lugar era péssima!!!
Quando chegamos, vimos que a entrada prinicpal do lugar estava fechada e que todos tinham que entrar pelas escadas que davam para o estacionamento. As crianças tinham que andar no mesmo lugar que os carros! Perigoso!!! Além disso, a fila era enorme porque não tinha vazão. As pessoas tinham que subir os degraus (de uma escada de incêndio) aos poucos e passar muito calor lá dentro!
Relembrando: era um show para crianças! As crianças tinham que passar entre os carros e depois enfrentar muito calor e muita fila antes de chegarem ao local esperado.

Agora, vejam o que estava escrito no site de vendas de ingresso:

"Observação:
- Os lugares NÃO são numerados e serão ocupados por ordem de chegada.
- Crianças até 2 anos não pagam (nascidas após 22/02/2012, com apresentação da certidão de nascimento e documento do responsável legal/ exceto na Ala VIP Chocolate).
- Para este espetáculo crianças de 2 a 12 anos possuem o benefício da meia-entrada, devendo apenas apresentar documento de identificação."

Então fomos comprar ingressos para a Ala VIP Chocolate e nossas crianças não tinham o benefício de meia-entrada. Apesar de terem 3 anos e meio pagaram o ingresso inteiro! Justificativa: Ala Chocolate paga ingresso inteiro! - Onde estava escrito isso?

O mapa do lugar na hora da compra também era propaganda enganosa (fazia quem estava comprando entender que ficaria em pé na frente do palco) e não, ficava em camarotes superiores (sem número certo de pessoas - os camarotes iam lotando aos poucos, outros ficavam vazios...), perigoso para as crianças, por ser no alto e com péssima vista e acústica do palco! Lembrando que era o segundo ingresso mais caro - Ala VIP!!!

Na saída, a mesma coisa, todos saindo pelos fundos (pela escada de incêndio). Não quero nem imaginar como deve ter sido para alguém que tivesse algum portador de deficiência na família ou entre amigos...

O show foi bom! Nível Palavra Cantada! ... mas o nervoso foi tanto que acaba manchando a imagem da banda!

A produção do evento foi péssima! Acho que o Palavra Cantada tem que ficar de olho em quem trabalha na produção deles também, porque também devem ter responsabilidade sobre muitas dessas coisas!

Teve muita gente reclamando, muita confusão... ainda bem que estávamos em ótimas companhias e que não deixamos tudo isso atrapalhar o nosso bom humor! Nos divertimos e aproveitamos os amigos e a música!!!

...mas, fica a reclamação aqui!!!


Vejam a foto do lugar:

(observem a distribuição dos camarotes e as grades - perigosas para crianças!)

Lívia.


sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Uma carta para o meu filho

(imagem tirada da internet)


Filho,

Quero te desejar muitas coisas para esse ano e para a vida.
Desejo primeiramente que você tenha muita saúde. Depois, desejo que seja infinitamente feliz!
... mais do que feliz, desejo que você encontre sua felicidade nas pequenas coisas: num gesto de carinho, num sorriso, em estar com a família, com os amigos...
Desejo que você brinque muito, divirta-se muito, aprenda muita coisa...
Desejo que faça muitos amigos (que sejam verdadeiros e que te façam rir até nas horas difíceis).
Desejo que saiba conversar e desejo também, que saiba ouvir!
Desejo que você seja um homem honesto, íntegro e bom! Que não se deixe corromper, que não vá atrás de más companhias!
Desejo que você tenha personalidade! Que não tente mudar a sua essência para ser aceito em grupo nenhum, por ninguém!... e que sua personalidade o leve apenas para os bons caminhos!
Desejo que você seja paciente mesmo diante de um mundo louco!
Desejo que seja tolerante. Que aceite as diferenças!
Desejo que saiba sempre diferenciar o certo do errado e que siga sempre buscando o que é correto!
Desejo que seja muito amado (sempre), mas, mais do que isso, desejo que ame! Que ame quem tiver que amar, mas que ame!
Desejo que ouça os mais velhos. Eles sempre tem algo para nos ensinar!
Desejo que respeite o próximo, mesmo aqueles que são diferentes de você!
Desejo que saiba se afastar das pessoas e das coisas que te fazem mal!
Desejo que você viva, que pense, que ame, que tenha muita fé, que levante-se todas as vezes que cair!
Viver não é fácil, relações muitas vezes são complicadas, muitas vezes temos que cair e muitas vezes temos que sofrer... mas você sempre terá a mim e ao seu pai e poderá sempre contar com gente!
Por isso, filho, desejo que você saiba viver com inteligência para aproveitar as coisas boas e eliminar as coisas ruins. Que viva intensamente o amor, a paciência e a tolerância e que saiba levar para sempre com você os valores que eu e seu pai lhe passamos todos os dias!

Eu amo muito você!

Mamãe.

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

O que aconteceu por aqui?!

Desde o começo das férias aconteceu muita coisa boa...

Vou colocar algumas fotos para ilustrar o quanto o Henrique se divertiu (com a gente, é claro!)!!!


Teve piscina, muita piscina!!!



Teve brincadeira com brinquedos... muita brincadeira!!!


Teve banho de mangueira!!!


Teve brincadeira na bacia!!!


Teve dança!!!


Teve viagem: Projeto Tamar...




Passeio de burrinho!!!


Praia...


Brincadeira no mar, na areia, com baldinho...


Teve aquário!!!


... chamego de mãe, de pai, avós...


Teve fazendinha... galo, galinha, pavão, faisão, pato, peixe, cágado, cavalo, vaca, cabra...


Teve natureza!!!

Parquinho...


Teve brincadeira de super-herói...


Além disso teve cinema, parque de diversões, bola, gramado, leitura...

Muito, muito bom!!!

Agora, é hora de voltar tudo ao normal, voltar à rotina...

Volto inclusive para contar tudinho...


Lívia.