segunda-feira, 6 de agosto de 2012

O pós-parto: medos, insegurança e alegrias mil!!!

Montanha russa de emoções! É assim que eu consigo definir o pós-parto!!! Eu o considero como um período difícil, cheio de altos e baixos!
Os hormônios que nos acompanharam durante 9 meses de gestação caem de uma vez e unem-se a sentimentos profundos de medo, insegurança, alegria e euforia...
Como eu mesma disse, ora queremos chorar, ora queremos sorrir, ora queremos gargalhar... ora queremos a solidão, ora queremos a casa cheia...

O pós-parto é um momento muito intenso: apesar de termos carregado o bebê no ventre por 9 meses, nós não o conhecemos ainda. Tudo acontece aos poucos!

Devagarinho conhecemos o seu rostinho, seu corpinho, sua personalidade, seu chorinho...
Mas de cara, nos assustamos e a cada choro: "_ O que o bebê tem?", não sabemos... Vamos testando: fome? sede? dor? cólicas? está sujo? quer um carinho?
Vamos conhecendo esse bebê cada dia mais, mas a verdade é que não é fácil!

Além disso, ficamos cansadas! Acordamos de noite para amamentar, de dia a rotina é longa... Os bicos do seio doem muito durante as primeiras mamadas, o leite descendo arde por dentro...
Aos poucos tudo passa!!! A dor nos seios já não é sentida, o leite descendo torna-se algo muito natural, amamentar torna-se prazeroso. Ficar ali cara a cara com o bebê no seu peito, as mãozinhas acariciando o seu colo é a melhor sensação do mundo!
Se a mulher passou por um parto normal, natural ou humanizado, ainda sofre com pequenas dores. Se passou por uma cesárea sente dores e ainda se medica por algum tempo!
O corpo modificado é uma marca da melhor coisa que pode acontecer a uma mulher: tornar-se mãe!

Laura Gutman fala muito sobre esse período: é um período de descobertas, de encontrarmos com as nossas sombras, de nos enchermos de dúvidas e medos, de não termos certeza do que estamos fazendo... É um período em que precisamos nos sentir amadas, entendidas, cuidadas...

O meu pós -parto foi assim! Meu marido, muito companheiro e compreensivo. Apesar de tudo estar mudado na vida dele também, ele manteve o controle, sempre me deu forças, ouviu meus choros, medos, angústias e me viu gargalhar cada vez que olhava para o rostinho do nosso filho!

Minha sogra ficou comigo em casa (durante os dias) durante o primeiro mês e me ajudou muito! Me deu forças e cuidou de mim e da minha casa para que eu pudesse cuidar do Henrique. Limpava, lavava e passava as roupas... Me escutava e conversava muito comigo! Me fazia companhia! Me acalmava e dizia que tudo aquilo era normal, que meus sentimentos eram normais! Não me achava uma louca por ir conferir a respiração do bebê no berço (várias vezes) para ver se estava tudo bem!!! (acho que todas nós fazemos isso, não é?!).
Depois do primeiro mês ela ainda ficava comigo uma ou duas vezes por semana durante o dia...

Minha mãe cozinhou durante o primeiro mês. Cozinhava em sua casa e trazia tudo prontinho para a minha! Comida e guloseimas para receber visitas! Hummm!!! Não precisei me preocupar com isso, o que já me deixava muito sossegada!!!

Eu gostava de receber visitas, me sentia viva! Mas, nem toda mulher sente isso!!! (e tudo bem! cada mulher é uma mulher, cada mãe é uma mãe - vivemos e sentimos cada uma a seu modo!)

Meu sogro fazia tudo por mim!!! Meu pai me apoiava sempre!!!

Mas, nem tudo são maravilhas! Passei por momentos de stresse nos primeiros meses, fiquei um pouco abalada com alguns sentimentos que corriam dentro de mim e por isso meu leite secou quando o Henrique tinha apenas 4 meses! Precisei parar de amamentá-lo e mais um turbilhão de emoções: me sentia impotente, fracassada, uma mãe terrível que não era capaz de amamentar o próprio filho! Uma separação precoce entre a mãe e seu bebê tão pequeno e indefeso!
Logo isso tudo passou e virou passado mesmo! Henrique se adaptou super bem ao leite artificial e eu pude ficar mais tranquila!

Devo dizer que apesar de ter passado por essa montanha-russa de emoções, meu pós-parto foi tranquilo porque tive ao meu lado pessoas muito queridas que me apoiaram, cuidaram de mim (física e psicológicamente), deram à mim condições de cuidar exclusivamente do meu bebê, o que me deixava feliz e completa e me fez conhecê-lo cada vez mais a cada dia!

Obrigada a todos que me ajudaram e apoiaram de alguma forma!

... e mamães, não sintam-se mal por terem passado por situações e sentimentos semelhantes, tudo isso é normal e o que mais importa é que passa, deixa saudades e nos faz mulheres completas, nos faz MÃES!

Lívia.

8 comentários:

Roberta Aquino disse...

Ai amigaa .. não é fácil mesmo ... os três primeiros meses eu sofri demais ... o que me consolava era só mesmo olhar o rostinho da pequena ... fiquei esgotada, só queria dormir .. não queria nem saber de nada da casa ... eu heim ... quando ela dormia, eu ia atras ... só depois desse período começou a melhorar ... não teve mais colicas e passou a dormir mais e em seu proprio quarto sozinha ... ai pude me reorganizar melhor .. bjs, boa sorte e muita paciência ...

Chris Ferreira disse...

Oi Li, o pós-parto para mim foi assim mesmo. Foi por isso que eu demorei tanto para decidir ter outro filho.
Que bom que você contou com ajuda. Isso é fundamental.
beijos
Chris
http://inventandocomamamae.blogspot.com/

8x0 disse...

Para mim o assunto que mais deve ser discutido: PÓS-PARTO. Difícil, fácil, choroso, alegre, apaziguador, tudo e mais um pouco. E o apoio é essencial.

Minha Filha Minha Vida disse...

bem assim mesmo um turbilhão de sensações .... eu demorei 1 dia após o parto para colocar a cabeça no lugar e entender tudo que começava a acontecer ... sofri horrores (comigo mesma) levei um tempo até descobrir que não daria conta de TUDO sozinha mas a maternidade é tão incrivel que mesmo com tantas situações agente vai encaixando o quebra cabeça ...

beijos

Juliana Reis disse...

Li, que post profundo! É realmente uma montanha-russa de emoções!
Também senti muito de tudo isso que você falou. Tinha muitas preocupações, medo, insegurança, mas tive muito apoio também, o que ajuda muito a amenizar esse turbilhão que se passa dentro da gente.
Adorei o seu post! Parabéns!
Beijos

Mamães de São Paulo disse...

Oi Livia, é normal essa sensação de insegurança pós parto, afinal começaremos a viver um mundo diferente de emoções e dedicação ao ser mais importante da nossa vida. Meu pós parto em relação a dores foi super normal, não senti nada de dor, mas amiga tinha que ir todos os dia pra maternidade amamentar os gêmeos que nasceram prematuros, mas insegurança, preocupação é normal linda, daqui uns dias tudo isso vai passando, eles ficando mais independentes e vão chegando outras fases e preocupações também. Digo que é uma adaptação muito rápida e desafio a nós pais. Logo tudo estará mais clamo por ai. Adorei sua participação lá no clube das mamães, seja bem vinda sempre. Beijos
Cléo http://eueosgemeos.blogspot.com.br
http://clubedasmamaesdesaopaulo.blogspot.com.br

Aline Patrícia disse...

Eu fiquei muito diferente quando a Emilly nasceu mas depois tudo se encaixou!!! Muda tudo!!
Beijos!

Renata Diniz disse...

Oi Li! Eu enfrentei muitas dificuldades também no pós-parto. Cheguei a pensar que eu não conseguiria. Mas somos vencedoras. E com a ajuda da família tudo fica mais fácil.

Muito obrigada pela sua presença na minha postagem na casa cibernética da Genis. Adorei! Nos vemos.

Beijos!