terça-feira, 31 de julho de 2012

Laura Gutman

Estou positivamante surpresa!
Lia, em alguns blogs, opiniões radicais sobre parto humanizado, amamentação em livre demanda e outros assuntos... Me assustava um pouco com tais opiniões e sempre via que tinham como referência Laura Gutman.
Então, uma amiga muito próxima a mim, sem contar a ninguém viajou um dia antes do nascimento de seu filho para ter um parto humanizado e deixou para mim o tal livro: A maternidade e o encontro com a própria sombra. Quando recebi os livros em minhas mãos fiquei feliz pois sabia que eu só poderia ter uma opinião sobre a autora e sobre os assuntos por ela abordados após lê-la!
O livro é maravilhoso, cheio de sensibilidade, com uma visão inovadora a respeito da maternidade, uma visão que nos faz enxergar o nosso eu verdadeiro, as nossas dificuldades, sentimentos...
É claro que tenho pontos (a maioria) em que concordo e alguns em que discordo dela, mas tenho que dizer que ela não é NADA radical. Eu amei o livro!

O meu parto foi cesareano. Já contei sobre ele aqui. A escolha foi minha! Depois de 40 semanas de gestação o Henrique não dava sinais de querer nascer e eu não tive nenhuma dilatação. Segundo a Laura Gutman toda mulher irá dilatar, é só esperar a hora certa! Minha obstetra sempre foi gentil e esclarecedora comigo e me deixou claro que podíamos esperar mais, só teríamos que ficar mais atentas... Eu não quis esperar e tenho os meus motivos e sou muito segura deles. Prefiro ter meus filhos em meus braços a arriscar suas vidas por um parto normal! Essa é a minha opinião (uma escolha que eu fiz para o parto do Henrique) e não a verdade absoluta. Também não quero dizer que sempre será assim comigo, que não poderei escolher outro tipo de parto numa próxima gestação. Cada gravidez é uma gravidez!
Minha avó paterna teve dois partos normais muito difíceis. Depois disso chegou mais uma gravidez e mais um parto muito difícil, com sérias complicações que deixaram a minha avó na cama durante três anos, quando finalmente ela veio a falecer, deixando 4 filhos pequenos (um de coração!). O mais novo com três anos. Meu pai só tem recordações da mãe na cama!!!
Minha tia, irmã de meu pai, perdeu o primeiro filho esperando pelo parto normal. Não dilatou, não dilatou e quando finalmente dilatou, o bebê não suportou... Viveu poucas horas após o nascimento! Muito triste lidar com tantas perdas!!!
Do lado da minha mãe nunca perdemos ninguém por esses motivos, mas os partos normais sempre foram muito difíceis, sofridos e arriscados.
Outro ponto da autora é que ela é contra a falta de atenção e carinho para com a parturiente e contra cesáreas que sejam feitas por dinheiro, tempo, a favor da equipe médica, do plano de saúde, entre outros... Nisso concordo com ela plenamente!
Acho que o parto tem que ser uma escolha da mãe! Se ela quer tentar o parto normal até o fim, a escolha é dela, se quer um parto humanizado, é ela quem decide, se quer uma cesárea (muitas mães tem medo do parto normal e sentem-se inseguras só em pensar nele), por que deixá-la insegura e obrigá-la a fazer um parto normal? Só acho que em qualquer uma das escolhas as mães tem que estar seguras e bem amparadas com profissionais de sua confiança.
Eu fui tratada pela minha médica, pela equipe do hospital... pelo meu nome, com muito carinho, preocupação e respeito... Apesar de ter sido uma cesárea todos se preocuparam com o que eu estava sentindo, se tinha alguma dúvida ou temor, me deixaram tranquila, me diziam tudo o que estava acontecendo comigo e com o bebê. Meu marido estava lá o tempo todo me apoiando e cuidando de mim!!!
Me senti amada, acarinhada, especial!
O Henrique foi trazido para mim ainda na sala de recuperação e ali mesmo já ofereci o peito a ele, que não quis de imediato, mas depois de ficar uns minutinhos peladinho abraçado comigo, ouvindo minha voz (eu conversava e cantava para ele) pegou o peito e adorou!
Depois do parto também fui muito bem tratada. Toda a equipe cuidou de mim, me ajudava no que eu pedisse, me apoiava para que eu conseguisse cuidar do meu filho. Minha médica ia me ver duas vezes por dia e ligava outras mais para saber como eu estava, se estava sentindo alguma dor, algum medo ou insegurança...
Só tenho como falar com carinho da minha obstetra! Até hoje me trata com carinho e sabe de todo o meu histórico familiar, da minha dificuldade em engravidar do Henrique e de meus medos...

Bem...
Todos falam sobre a gravidez, sobre o parto e muito pouco se ouve falar sobre o pós-parto. Eu o considero como um período difícil, de altos e baixos e uma montanha russa de sentimentos... Ora queremos chorar, ora queremos gargalhar, ora queremos a solidão, ora queremos a casa cheia...
Sobre o pós-parto falarei no próximo post!

Lívia.

10 comentários:

Diário da mãe e da filha disse...

Livia como sempre amo o jeito que você escreve.
Como eu sempre digo, cada mãe sabe o que é melhor pra ela e cabe a cada um de nós respeitar.
Eu tive dois partos normais. Não tive complicações, mas tem gente que sim e é de cada um, né?

Eu gosto disso, cada mãe trocando experiências com respeito, sem atacar ninguém dizendo que o certo é isso ou aquilo, não é?

O importante é isso você se sentiu amada e respeitada no seu parto. Isso sim é o certo

Beijos!
Lilia

Ivna Pinna disse...

Lívia concordo realmente que cada parto é um parto, cada parturinte é uma parturiente. E isso tem que ser respeitado.
Tbm sou contra cesáreas eletivas por bobagens, e acho que muitas mulheres tem medo do parto normal, por simples desinformação.
Não sou nada radical, mas sabe o que me levou a desde sempre querer o parto normal? Por incrível que pareça o medo da dor. Sim, pq depois de dois parto normais, minha mãe "escolheu" a cesária pro meu nascimento(porque ela queria o ligamento) e ela sofreu muito. Nasci sem que a anestesia tenha surtido qualquer efeito nela. E isso acabou me "traumatizando" pq sempre imaginei como ela suportou tamanha dor de ser cortada, sem anestesia.

Acho que escrevi muito hein! hahaha

Beijos

Ana Paula disse...

Muito importante o seu relato com experiências e histórias de quem vê um outro lado.
Está sim havendo uma polarização em relação a partos. O equilíbrio é a chave. Informação é importante para a mulher escolher, mas nunca se culpar por uma escolha.
tenho lido até por entrelinhas muita se culpando por não conseguirem se encaixar na padronização da moda do parto natural.
Beijo

Minha Filha Minha Vida disse...

rsrsrs estou aqui no seu cantinho lendo e dai que chegou um comentario no meu e-mail (do blog) e era seu rsrsrs muita coicidencia né !!!!

vou voltar lá para terminar de ler e fazer um novo comentario rsrsrsrs

beijos e até ja

Minha Filha Minha Vida disse...

pronto terminei de ler rsrsrsrs

eu escrevi 2 outros post exatamente dizendo sobre isso (não existe regra não existe manual) é complicado pq parece que agente tem sempre um dedo apontado para nossa "cara" dizendo faz assim faz assado .... enfim eu sei que seu post foi não foi nada disso e me fez bem é exatamente assim que deve ser ... cada um sabe o que lhe faz bem e é exatamente isso que importa ....

minha mãe no parto do meu irmão mais velho quase morreu ela e o bb pq meu irmão passou da hora e minha mãe não sentia nada quando retiraram o liquido com uma agulha imensa o bb ja tinha passado e muito da hora tudo por culpa de medicos que te olham e dizem (vc não esta em trabalho de parto volta para casa ... até que um dia meu pai com toda "ignorancia" dele disse .... vc vai ao médico e não me volta aqui se não fizerem este parto minha mãe disse que só resolveram tirar o liquido para ver se meu pai tinha razão pq minha mãe disse que não poderia voltar para casa .... outros tempo .... muito tempo atras .... masss o descaso hoje em dia é praticamente o mesmo em hospitais publicos ....

eu fui com a minha ideia de parto normal até onde era seguro e na noite anterior a cesarea a Bela veio de parto normal mas mesmo o PN sendo minha excolha eu nunca cogitei levar isso a ferro e a fogo pq só o que importava era ter minha filha bem ....

enfim acho que fui meio confusa mas em resumo quero dizer que .... respeito é o que mais importa neste momento tão importante (gestação/ parto/ pós parto/ a maneira que vc cria seu filho)

beijos ... obrigada pelo carinho e pode apostar que é reciproco e verdadeiro !!!

Cristiane disse...

Cada um cada um... Todos tem o direito de escolher e pra que brigar!!!Minha médica também foi muito sincera comigo e eu quis a cesariana... Cris

Recanto das Mamães Blogueiras disse...

Oi Lívia!
Eu também entro no coro que cada parto é um parto e cada mãe sabe de si, de como se sente melhor pra ter seus filhos.
Temos sim que nos sentir bem e respeitadas, pois é um momento muito especial na vida de toda mulher que vai dar a luz.
Um beijo bem carinhoso de toda Equipe Recanto.

Adriana Cleo Flavia de São Paulo disse...

Muito bem escrito seu post e esperando você falar do pós parto que assusta tanto a nós mamães....
beijos das Mamães do clube

8x0 disse...

Acredito que a escolha para a hora do parto tem que ser LIVRE. Só a mãe pode saber o que realmente deve ser feito. Sonhar com o parto normal , natural, humanizado ou cesárea não ajuda em nada e muitas vezes pode deixar a mãe se sentindo culpada. O mais importante nesta hora é estar informada e consciente e não se deixar levar pela "moda" como alguns gostam de falar. Cesárea é moda? Parto normal é moda? Parto humanizado é moda? Tudo isso só não é moda se souber o que está fazendo, com quem está fazendo e se pode ser feito.

Laiz disse...

Eu ainda não li esse livro. Quero muito ler! Concordo muito com você. Independente do tipo de parto a mulher deve ser respeitada nas suas escolhas. Parto humanizado pra mim é o parto que deixa a mulher feliz e segura. A minha cesárea foi linda, e o dia mais feliz da minha vida, afinal o Nino chegou. Gostaria de um parto normal? Sim, mas não foi o que aconteceu e foi lindo porque foi como deveria ser. E eu estava feliz! Bjo grandeee